Últimos assuntos
» [GUIA] GRUPOS
27/5/2017, 23:35 por Líder

» [GUIA] Raças
10/4/2017, 11:21 por Líder

» [FICHA] Gabriel Gomes - HellBoy
8/9/2016, 01:04 por Convidado

» Pedido de Atualização
28/8/2016, 19:12 por Convidado

» [FICHA] Jason Stifler Grace - Blazer
28/8/2016, 17:48 por Convidado

» Investimento de Atributos
19/8/2016, 22:40 por Convidado

» Arco "A Invasão"
19/8/2016, 21:35 por Convidado

» [RP FECHADA] The meet of heaven and of hell.
18/8/2016, 01:20 por Convidado

» [FICHA] Cararina Nuñuz - Cararina Nuñuz
14/8/2016, 01:37 por Convidado

» [FICHA] Vinicius Alvarenga - Glacial
13/8/2016, 11:47 por Convidado

» [FICHA] Leona Paraguaçú - Paraguaçú
8/8/2016, 23:23 por Líder

» [FICHA] Belle Di'Angelo - Hel
8/8/2016, 23:23 por Líder

» [FICHA] Breno Lima - Caçador
8/8/2016, 23:23 por Líder

» Pedido de Avaliação de Diários
6/8/2016, 22:37 por Convidado

» CENÁRIO - SACRAMENTO
6/8/2016, 19:57 por Líder

» [RP Fechada] Operação Agentes Duplos
6/8/2016, 18:13 por Convidado

» [RP Fechda] Operação Tocaia
6/8/2016, 17:13 por Convidado

» Missão - PROTEJA SAMSON RAY
6/8/2016, 13:06 por Convidado

» Cap. 2 - Insânia
1/8/2016, 05:42 por Convidado

» [Missão] João Sabrosa, o Traidor.
27/7/2016, 17:47 por Convidado

Notificações

Cap. 2 - Insânia

Página 1 de 3 1, 2, 3  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Cap. 2 - Insânia

Mensagem por Convidado em 3/7/2016, 18:18

Mina Cristal, Cristal, Santa Cecília
22 de julho de 2016, 02h30min


– Eu invoco a ti, oh, Não Nascido! Tu que criaste os Céus e a Terra! Tu que criaste a noite e o dia! Tu que criaste as trevas e a luz! Tua arte: Cujo o homem presencia a todo instante! Tua arte caótica! - o homem grita com todo o ar de seus pulmões ao final de cada frase. Um vento dentro da caverna faz com que o manto do homem balance. – Eu sou Masheh, teu profeta, a quem podes revelar tua forma!

- Ele é muito jovem, não vai conseguir controlar isso. Essa mina vai acabar caindo sobre suas cabeças. – um homem mais velho, com uma batina negra e cabelos brancos, diz a outro velho ao seu lado. – Vocês terão que mover esse ritual para fora antes que isso esteja terminado.

– Aprecio seu conselho, velho amigo. – o outro homem fala, ele é bem mais velho e fala com uma voz rouca. Ele veste um manto semelhante ao jovem. - Quanto estiver chegando a hora irei mandar nossos seguidores levarem o ritual para fora da mina. Agora, se aceita meus conselhos, lhe indicaria que saísse das proximidades, talvez seja triste a presença de um dos altos membros da Ordem Eterna conosco no ato da invocação.

- Eu invoco a ti, Terrível e Invisível Ser: que está presente em todo lugar ocupado e espaço vazio! Arogogorobrao; Rothou; Modorio; Pharlathao. Não Nascido, ouça-me! Tu que és o Senhor! Tu és aquele que os ventos temem! Tu és aquele moldou o verbo a sua vontade! Senhor de todas as coisas!

– Com toda a certeza, meu caro. – Padre Rafael dá um longo abraço no outro homem e, logo após, sai de cena.[/color]

Base da Legião Sombria, Nova Esperança.
22 de julho de 2016, 11h20min


- Vocês não vão com eles. – o Secretário que havia falado para o grupo, chama uns poucos membros da maça de vilões que seguia para as vans. – Vocês vão para Santa Cecília. Algumas pessoas estão aproveitando a situação para pegar algo ruim de um lugar horrível. Eu quero que vocês tragam essa coisa ruim para o nosso poder, morta ou viva.

Ele então leva os poucos vilões e mercenários que ele havia selecionado para uma van separada, também preta, que esperava por eles longe da carreata que levava os outros vilões.

Parque Imortal, Sacramento

Depois de receber as ordens do Treinador, os Protetores e Salvadores seguem para os veículos, alguns ficam para trás, e logo Eclipse aparece na frente desses heróis, sem aviso, como um holograma projetado instantaneamente a sua frente.

- Não, ninguém além de vocês me vê! Eu estou na mente em suas mentes. – sua voz ecoa na cabeça dos heróis e nenhum deles tenta dizer alguma coisa. - Eu estou sentido algo vindo de Santa Cecília, algo ruim. Estão mexendo com forças mais poderosas do que deveriam. Eu quero que vocês investiguem isso. Acho que isso pode ter a ver com os mendigos e indigentes que morreram nos últimos dias.

Nenhum dos heróis teve tempo de dizer nada. Um homem alto, vestindo um terno preto parou atrás do grupo e lhes apontou a direção em que eles deveriam ir. Olhando novamente para frente, a imagem de Eclipse havia sumido e o homem levou os jovens para a van que os esperava na parte de trás. O homem de terno sentou no banco de motorista e levou-os para Santa Cecília sem dizer uma palavra.

Ruas do Bairro Cristal, Santa Cecília
13h30min, 22 de julho de 2016


Nuvens negras que enegrecem o dia, enquanto clarões eclodem de dentro delas a cada instante e o som de trovões é ensurdecedor, mas nenhuma gota cai do céu. Os poucos heróis e vilões saltam em extremidades diferentes.

- O Secretário disse que a treta é lá. – diz o homem que havia levado os vilões na van para Santa Cecília, apontando para a Mina Cristal. - Podem ir lá que eu fico aqui. Eu que não vou chegar perto dessa porra. E quando vocês trouxerem o bicho, é bom que essa porra esteja desmaiada, morta, ou qualquer porra assim.

- Lá. – diz o homem de terno que havia levado os heróis até ali, apontando para a Mina Cristal. - Irei espera-los aqui. – ele diz apenas isso e fica esperando que os heróis saiam do veículo.

Pátio Externo da Mina Cristal, Cristão, Santa Cecília.
13h30min, 22 de julho de 2016


- Eu sou Ele! O Espírito Não Nascido! Forte Fogo Imortal! Eu sou a Verdade! Eu sou Ele de onde se origina todo o bem e todo o mal! – o mago continua conjurando seu feitiço, apesar de estar a horas no processo, ele parecia não ter se cansado, sua voz está quase tão firme quanto no início do ritual. - Eu sou Ele, relâmpago e trovão! Eu sou Ele, de quem brota a vida eterna! Eu sou Ele, de cuja boa saem labaredas!

– Eu sabia que ele era a pessoa certa para fazer isso. – o velho diz enquanto se mantem de longe assistindo o ritual.

– Eu sou Ele! Sou a maior Manifestação da Luz e das Trevas! Eu sou Ele! A graça do Mundo! – a voz do jovem fica mais rouca, ele parece finalmente se cansar. No centro do círculo, ele está ajoelhado, com os braços abertos gritando para o céu. O vento bate em seu manto, que se desprende, e voa deixando o corpo tatuado e mutilado do jovem. O círculo a sua volta contém uma estrela de dez pontas em seu centro, com cada uma das pontas tocando o círculo, tudo pintado com sangue. As velas que antes mantinham uma chama já se apagaram a muito, mas ainda se mantêm presas nas interseções das pontas da estrela com o círculo. – EU SOU INSÂNIA!

As últimas palavras do jovem nem mesmo pareciam ter saído de sua boca, mas o que veio a seguir saiu de lá. Duas mãos, vindo de dentro de sua garganta, se agarraram a boca do jovem e sua força dividiu sua cabeça em duas. O ser se puxou para fora enquanto o corpo do jovem se debatia ajoelhado no centro do círculo. O chão tremeu enquanto o monstro saia em carne viva. Sem pele, nem cabelos, com os dentes tendo uma colocação verde escura, parecendo estarem podres e olhos arregalados. Sobre sua carne exposta sangue escorre como se fosse infinito.

- Argh! – o monstro ruge para os céus nublados.

Com dois metros de altura e aparentes centro e cinquenta quilos, o ser enverga suas costas quase completamente para colocar seus seios para cima. Com o quadril mais largo que a cintura e seios protuberantes, é visível que se trata de uma mulher.

- Argh! – ela ruge mais uma vez, porém olhando para o corpo do jovem que a havia invocando. - Argh! – o terceiro rugido se direciona aos homens que estavam junto do jovem morto.

Vários homens e mulheres de todas as idades, todos vestidos de mantos negros, iguais ao do jovem que agora era apenas uma poça de sangue com carne e pele espalhadas em volta. Todos correm, ninguém sabia o que aconteceria ali, ninguém sabia que o jovem no centro do círculo seria dilacerado como foi, ninguém quer ter o mesmo destino. Desesperados, ninguém lembra de procurar o mestre de sua seita, que, de longe, se esconde, com seus olhos vermelhos brilhando em meio as sombras.






DETALHES

Nome da Missão: Insânia
Tipo de Missão: Secundária
Grupos: Todos
Prazo: 5 dias para postagem

Informações da Missão

- Membros da Legião Sombria e Anarquistas, assim como Protetores e Salvadores não precisam considerar NPCs que não tenham sido mencionados, só os membros da Legião Sombria/Anarquistas e Protetores/Salvadores que postarem estarão na missão.

- Todos podem participar, os grupos citados são parte da “continuação” da missão A Morte de um Mito mas os suburbanos e membros da Ordem Eterna são livres com relação a isso, assim como Agentes da DELTA podem ir direto do centro de operações, de suas casas, após receber um aviso sobre a missão ou qualquer outra situação que o faça ir para lá.

- Usem essa primeira ação para darem suas reações aos chamados e dizer como chegaram até o grupo, se estavam investigando o culto, se apareceram ali por coincidência, se sentiram uma presença magica e foram atrás ou qualquer coisa assim. Podem fazer reconhecimento da perímetro e dizer que viram o monstro saindo do corpo do mago se quiserem, ou montar um plano em equipe.

- Se querem imaginar como é a Insânia, procurem imagens da Annie (Titã Fêmea) de Atack on Titans. É parecido com ela, só que mais feia, sem cabelo e tudo o que eu disse no texto.

- Apenas um personagem por jogador (eu tenho como saber quem é quem, krl).

- Os personagens que estão participando da missão A Morte de Um Mito NÃO PODEM PARTICIPAR desta também.

- Duvidas me mandam MP, e-mail, mensagem no Facebook, sinal de fumaça, mensagem em código morse, etc.

- Beijo no rim de vocês.




@ travvy



Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Cap. 2 - Insânia

Mensagem por Convidado em 7/7/2016, 11:55


O dia não havia começado mais difícil do que Richard esperava, havia recebido uma carga exaustiva de trabalho, e estava estressado – não pela tarefa em si, mas odiava ter que analisar tantos papéis logo pela manhã e com prazos curtos. Precisaria demitir alguns estagiários e diretores por serem tão incompetentes. Ter uma vida dupla – Empresário e Vilão – tornam os dias ainda mais cansativos, e não é preciso explicitar os motivos.

Richard analisou o mais rápido que pode a pilha de papeis, enquanto Hans o aguardava para irem cumprir uma missão – Richard iniciou o enfadonho e demorado processo de transformação – Colete de proteção, uniforme negro cobrindo todo o corpo e é claro o capuz negro que escondia seu rosto nas sombras. Revolver, zarabatana e equipamentos colocados estrategicamente em vários pontos de seu uniforme e estava pronto.

Richard não gostava da ideia de ter que ir para Santa Cecília de Van, um grande desperdício de tempo e é claro nada confortável. Depois de ouvir as orientações – um tanto vagas se querem saber o que ele pensa a respeito – Juntamente com Hans entrou na van e seguiram para as Minas.

Ao descer não pode deixar de fazer um comentário irônico acerca das pessoas enviadas para a missão, em especial, o garoto que aparentava não entender os riscos que corria.  Richard procurava analisar a situação e as circunstâncias – um tanto esquisitas – da Missão e não se importava com que finalidade a Legião iria desejar um monstro, mais Missão é missão, não é amigo?

Richard combinou com Hans as ações a serem tomadas e ambos colocaram-se em posições opostas e estratégicas para ataque sem serem notados.




Spoiler:
Ação 1 -  Aproximar-se sem ser notado – Perícia – Furtivo – Richard
Ação 2 - Aproximar-se sem ser notado – Perícia – Furtivo – Hans / Parceiro  

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Cap. 2 - Insânia

Mensagem por Convidado em 7/7/2016, 11:55

O membro 'Richard Strauss' realizou a seguinte ação: Lançar Dados


#1 '1d12' :


--------------------------------

#2 '1d12' :

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Cap. 2 - Insânia

Mensagem por Convidado em 7/7/2016, 17:55




Missão Secundária



Já era noite e enrolava pra dormir, estava recentemente em um apartamento pessoal e basicamente não tinha muitas coisas: televisão e um colchão foram a minha contribuição pessoal. Sem esquecer que consegui essas coisas roubadas, então não havia realmente compras feitas para tal organização fora a mobília escassa do apartamento. Pessoalmente não me importava que não tivesse uma mesa, ou máquina de lavar e em meio a essa análise do local que ouvi a chamada do plantão.

Aumentei o som e retornava o olhar para o televisor ouvindo a repórter falar sobre a morte de um dos antigos Patriotas e durante os avisos e explicações de como o herói morreu, recebi uma mensagem de um dos Anarquistas. Confirmei que aceitava a missão numa mensagem, recebi em seguida uma resposta com a data e então adormeci para acordar cedo no dia seguinte e já treinar um pouco mais avanços de luta para a missão. Não sabia com certeza como seria a missão, mas seria interessante uma missão ativa que não fosse causar caos por caos na cidade.

Cheguei no local na hora indicada esperando a atualização da missão e o transporte, o secretário da Legião Sombria foi separando os grupos mistos de ambos os grupos e então faltando poucos só nos avisou que não iríamos para o velório pegar o corpo do falecido. Arqueei as sobrancelhas surpreso com a mudança de objetivo, mas sorri e bati palmas como criança ganhando presente: - Eba, missão fresquinha do forno do caos. - O secretário indicou o caminho para uma van mais afastada das outras e logo fomos sendo levados para Santa Cecília.

Não aguentaria o papo furado dos outros, então fiquei com fones de ouvido ouvindo músicas durante a viagem toda, não totalmente surdo as conversas, mas também não sendo atencioso ao papo alheio. Chegamos numa rua que parecia especialmente mais tenebrosa que as anteriores pelas nuvens negras escurecendo o dia e os trovões calorosos para o clima macabro e atraente. Sai da van após alguns dos outros saírem na frente e haver ainda outros atrás de mim.

O motorista avisou que não iria chegar mais perto, e reforçou mais ainda que devíamos trazer a coisa morta, ou desacordada. Os outros pareceram com outros objetivos, mas apenas fui em linha reta para a mina e então vi a cena praticamente de camarote. Pela primeira vez não tinha interesse em ver algo com tanta riqueza de detalhes assim de perto. Um monstro feminino saiu do corpo de um homem me deixando surpreso e curioso com que raios de ritual eles estavam fazendo.

Confirmei com a cabeça vendo aqueles primeiros movimentos da criatura só ficando interessado no decorrer daquilo. “Caralho viado, realmente o lado feminino estava no interior dele.” Olhei envolta pelos outros vilões ficarem prontos e avisei no comunicador que seria um pouco a distração. Bati palmas chamando a criatura feminina e falei com a voz um pouco mais grossa: - Vem monstro, pode vir monstro. Vem comigo. - A leve ideia não tão pequena assim passava em minha mente “Vou apanha. Vou apanhar. Vou virar patê de folha.”

Sabia que ela viria quente para mim, abri minhas mãos na direção do chão e os cruzei em xis na minha frente. Levantando as videiras do chão e se cruzando na direção do monstro para que mesmo um ataque pudesse fazê-la ter um foco para outro ataque. Sorria esperando a criatura agir e provavelmente me atacar, mas não pararia facilmente, contava que viesse contra mim e então atiraria esferas de fogo contra ela assim que se aproximasse.

Uniforme: http://i.imgur.com/8o5cDfj.png

valeu @ carol!



Ações:
Ação 1: Atacar com cipós/videiras. (Bônus de poder) - Concentração
Ação 2: Esperar uma ofensiva do oponente com um ataque com fogo fátuo preparado. (Bônus de poder) - Concentração

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Cap. 2 - Insânia

Mensagem por Convidado em 7/7/2016, 17:55

O membro 'Luiz Paulo D. Arantes' realizou a seguinte ação: Lançar Dados


#1 '1d12' :


--------------------------------

#2 '1d12' :

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Cap. 2 - Insânia

Mensagem por Convidado em 7/7/2016, 19:26

Tia Ivone gritava com Willian na cozinha, novamente o pirralho havia estrado seus planos de um café da manhã tranquilo. Mesmo com todas as informações dissessem que Willian era hiperativo e tinha deficit de atenção, tia Ivone simplesmente ignorava aquilo, e seu transtorno diário não tinha fim.
Ignorei totalmente a cena na cozinha e sai da casa em direção ao meu trabalho... Bem, trabalhar em uma loja de quadrinhos não era exatamente um trabalho, estava mais para uma diversão.

A loja havia sido aberta a no máximo uma hora quando uma luz roxa iluminou o estoque. Por estar vazia naquele momento, tranquei a porta principal e segui até o estoque para verificar, mesmo já desconfiando do que poderia se tratar.
Abri a porta do estoque e não havia nada de estranho por lá, até escutar uma voz masculina me chamando. O estoque embora grande, dava para ser visto totalmente sem precisar andar muito, e eu sabia que era única na loja.
- Hattie, aqui... - novamente a voz masculina falou, mas naquele momento eu já sabia quem era.
- Zen, ta fazendo o que ai ? Isso aqui é apenas para comunicação séria. - reclamei com o homem atrás do espelho. Seus olhos pintados com lápis de olho me encaravam com seriedade para que eu pudesse entender que aquilo não era apenas uma visita.
- A Ordem quer que você vá até Santa Cecília. Parece que há níveis mágicos estranhos próximos  a uma mina. - Encarei Zen como sempre fazia quando me mandavam para uma possível missão suicida.
- Antes que reclame, já tem um carro ai fora para te levar. - Zen não me deu opções para reclamar - ele sabia que eu faria isso - e desapareceu assim que passou o recado.

Revirei os olhos e coloquei o tecido que cobria o espelho novamente. Bati a porta do estoque mais forte do que deveria. Depois de pegar minhas coisas e trancar a loja, pedi para que o motorista me levasse em casa antes de irmos para Santa Cecília.

Em casa peguei minha escopeta e munição e coloquei meu uniforme. Tia Ivone nem reparou que eu havia chegado, já que estava ocupada de mais tentando fazer com que Willian não quebrasse seu carro de bombeiro. Passei direto por eles na hora da saida e segui para o veiculo.
- Você já sabe onde é o lugar?  - sem falar uma unica palavra o homem confirmou com um aceno e seguimos para Santa Cecília.

A viagem me permitiu ver alguns espisódios de animes no tablet, e quase adormeci assistindo um deles, quando fui "desperta" pelo motorista. Assim que desci do veiculo vi minha carona indo embora
- Ai ai .. - foi a unica coisa que consegui exclamar ao me ver sozinha no local.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Cap. 2 - Insânia

Mensagem por Convidado em 7/7/2016, 19:26

O membro 'Hattie Gail' realizou a seguinte ação: Lançar Dados


'1d12' :

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Cap. 2 - Insânia

Mensagem por Convidado em 7/7/2016, 19:40

Capítulo 2: Insânia



Uma rede de contatos perfeitamente projetada para dispensar qualquer forma de tecnologia, uma tática de comunicação e troca de informações usadas por facções criminosas em locais onde não havia aparelhos tecnológicos, ou caso os inimigos dominassem formas mais avançadas de tecnologia. Aliando seu conhecimento da cidade com a relativa liberdade dos moradores de rua, Rachel sabia movimentar seus pontos de trocas de informação em locais aleatórios, evitando quaisquer perseguidores ou mesmo rastreamentos tecnológicos... Porém, tornava-se um incômodo quando algo saía errado, e um contato não estar na hora certa e no lugar certo só podia significar uma coisa: Encrenca.
As possibilidades poderiam ser variadas, e o fator "acaso" era um particular incômodo ao se lidar com moradores de rua. Muito fácil de serem "caçados" abaixo dos radares da lei, visto que a maioria não tinha nem documentos, relativamente instáveis em seus vícios para serem "comprados" por qualquer oferta momentânea, porém, eram os mais distantes de representarem qualquer risco, e quando um se movia fora da teia de informações, Rachel sabia que uma caça se aproximava.
As investigações acabaram levando-a até Santa Cecília, onde havia rastreado não apenas o seu contato desaparecido, mas uma série de desaparecimentos de outros mendigos, que pareciam estar envolvidos em um suspeito específico...

Lugares afastados dos grandes centros urbanos eram perfeitos para esconder atividades ilegais, porém, o que parecia ocorrer naquele local estava longe de parecer discreto. As nuvens indicavam chuva pesada, mas não parecia algo "natural", um arrepio na nuca e uma sensação inexplicável de que algo ruim rondava aquelas bandas faziam a intuição de Rachel alarmar algo muito errado:

- Que droga...

A mulher murmura ao ver a movimentação na mina que havia rastreado em sua investigação. Uma "coisa" (sim, uma coisa, alguns seres poderiam ser considerados algo próximo do "humano", seja para o bom ou mal sentido, mas "aquilo" que se movia na mina estava bem longe de ser qualquer coisa "humana") movia-se de maneira feroz em meio a uma poça de sangue no chão enquanto alguns indivíduos corajosos (ou loucos o suficiente) investiam contra a "coisa":

- Vejamos.

Rachel comenta consigo mesma à uma distância segura da criatura, destravando sua arma e olhando em volta à procura de qualquer coisa que pudesse lhe dar uma vantagem contra a criatura.

Ações:

- 1ª Ação: Atirar na criatura usando "Pistola Leve" (Dano: 1d8+1), se beneficiando do bônus da perícia Mira.

- 2ª Ação: Se mover furtivamente, se beneficiando do bônus da perícia Furtividade.


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Cap. 2 - Insânia

Mensagem por Convidado em 7/7/2016, 19:40

O membro 'Rachel Montoya' realizou a seguinte ação: Lançar Dados


#1 '1d8' :


--------------------------------

#2 '1d12' :

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Cap. 2 - Insânia

Mensagem por Convidado em 9/7/2016, 18:23



A multidão corre temendo por suas vidas. Os membros do culto correm por suas vidas, temendo o mesmo destino do jovem mago que havia acabado de morrer, mas em instantes, eles ficam sem opções de fuga. Uma onda de dor invade a cabeça de cada um antes de mais seres demonicos aparecerem. Monstros humanoides feitos de carne, com sangue escorrendo de todo seu corpo cercam o grupo e deixam-nos acuados, em um círculo onde todos choram de medo. Em alguns segundos os monstros partem para cima do grupo e, um a um, estraçalham os corpos, comendo a carne de cada um com seus dentes podres.

No mundo real, Insânia vê todos os seguidores do culto no chão, inteiros e desmaiados. Enquanto o sangramento de sua carne diminui, alguns fios de cabelo roxo aparecem no topo da cabeça do demônio e seus dentes ficam um pouco mais claros. Ela observa a mente dos seguidores serem devoradas pelos seus poderes, mas volta sua atenção para um vulto no mato, quando a Serpente Negra quebra um pedaço de vidro com o pé, enquanto tenta se aproximar.

Richard Strauss e seu parceiro, Hans, estavam se espreitando pelas bordas do pátio recreativo, usando o lixo e materiais de construção abandonados como esconderijo. Hans, atrás de um container metálico de lixo, se mantem anônimo, porém Richard tem o azar de pisar em um caco de vidro, enquanto se movia da cobertura de um tonel de ferro para um misturador de cimento, do outro lado do pátio. Os olhos da Serpente Negra e de Insânia se cruzam, e antes mesmo que o vilão pudesse pesar em fugir, sua mente explode em uma dor lancinante. Seus músculos se contraem, enquanto ele vê o mundo dançar em borrões coloridos. Uma forma vermelha vai em sua direção, mas uma forma verde passa correndo entre os dois e chama a atenção do olhar dos dois.

Blaze Duarte corre enquanto grita:

-  Vem monstro, pode vir monstro. Vem comigo.

Os gritos chamam a atenção de Insânia, que corre na direção do anarquista, que, com um movimento de braços, levanta duas longas videiras na direção da inimiga. Com um movimento de braços formando um X, Insânia se defende das videiras, fazendo com que elas se estraçalhassem contra seus braços em carne viva. Quando a Não Nascida descruza seus braços, uma esfera de fogo fátuo já está a alguns centímetros de seu rosto. Ela tenta desviar, mas a proximidade impossibilita a ação e a esfera flamejante explode em seu rosto. A carne de seu rosto é queimada, mas ela não para de correr. O jovem tenta fugir da Não Nascida, correndo na direção contraria a ela, mas a velocidade dela é absurda. Insânia segura o cabelo de Luiz e arrasta sua cabeça pelo chão por alguns metros, antes de lança-lo contra uma das paredes da mina, fazendo-o bater com as contas contra as pedras.

– Xhim! – grita Insânia apontando os seios para o céu, mais uma vez

Uma bala cruza o céu na direção da Não Nascida. Adestradora atira contra Insânia com sua pistola, mas, ainda envergada para trás, a monstra sem pele segura a bala com uma mão, antes de olhar na direção que a bala havia vindo. Ela vê Rachel, ainda com sua arma em mãos, tentando se esconder atrás de uma mesa de madeira velha e recheada de cupins antes de se coloca ereta mais uma vez. Com um salto, ela chega a quase 10 metros de altura e desce com força na direção de Rachel. A mercenária percebe a aproximação e faz um rolamento para o lado, bem a tempo de fugir dos pés de Insânia, que destroem a mesa e afundam parte do chão quando ela vai, fazendo um estrondo tremendo.

– Laguí! - murmura Insânia enquanto olha para Rachel no chão a sua frente.

Ao longe, Héxia observa as dificuldades que teria em sua missão. Outras pessoas haviam chegado e procuravam pelo mesmo distúrbio que a Ordem Eterna havia pedido para ela averiguar, e distúrbio era muito maior do que poderia se imaginar.

Dados:


Richard Strauss
Furtividade
(Richard) DES3 + AGI3 + 3(1d12) + 1(pericia) = 10
(Hans) DES2 + AGI2 + 12 (1d12) + 1(Pericia) = 17


LPDA - 10 CFs - 10 CFs
Atacar1
CON2 + 10(1d12) + 5 (Bonus do poder[1d12]) = 17
Atacar2
CON2 + 7 (1d12) + 14 (Bonus do poder [1d12+2]) = 23



Montoya - 1CF
Atacar
CON2 + DES2 + 5 (1d12) + 6 (1d8) + 1(perícia) = 16

Furtividade
DES2 + AGI3 + 5 (1d12) + 1(perícia) = 11

Insânia (reação)
Percepção1
PER3 + CON3 + 7 (1d12) = 13 (só vê Richard)
Defesa1
RES5 + FOR5 + 9 (1d12) = 19 (defende o primeiro ataque de LPDA)
Esquiva1
AGI4 + 10(1d12) = 16 (não desvia o segundo ataque de LPDA)
Dedesa2
RES5 + VON4 + 9 (1d12) = 18 (defende o ataque de Rachel)
Percepção1
PER3 + CON3 + 8(1d12) = 14 (vê Rachel)

Insânia (ação)
Ataque1 (Richard)
CON3 + 4 (1d12) + 8 (Bonus do Poder [1d12+2]) = 15
Ataque2 (LPDA)
FOR5 + AGI4 = 12(1d12) + 7(Bonus do poder [1d12+1]) +1(pericia) = 29
Ataque3(Rachel)
FOR5 + AGI4 + 4 (1d12) = 13

Reação

LPDA
Defesa
RES2 + VON4 + 7(1d12) + 1 (bonus uniforme) = 14

Rachel
Esquiva
AGI3 + DES2 + 11 (1d12) = 16 (consegue a esquiva)

Strauss
Defesa Mental
VON1 + RES3 + 9 (1d12) = 13


DANOS
LPDA em Insânia
(23 - 16) + 6(1d12+2) = 13 (Insânia perde 13Hps)

Insânia em LPDA
(29 - 14) + (12+1) = 20 (LPDA perde 20HPs)
Insânia em Ricardo
(15-13) + 8(1d12+2) = 10 (Ricardo perde 10HPs)




CFs
LPDA: 79 - 20 = 59CFs
STRAUSS: 80
Adestradora: 79 - 1 = 78

HPs
LPDA: 75 – 20 = 55
Serpente Negra: 75 – 10 = 65
Hans: 40 – 0 = 40
Adestradora: 75 – 0 = 75



OFF:

Hattie ainda não foi percebida pelo monstro.

Hans também não foi percebido, pode ajudar Richard ou atacar Insânia.

Richard ainda está caído, tem que gastar uma ação para colocar sua cabeça em ordem.

Adestradora tem que fazer um teste de defesa mental na próxima rodada e um de esquiva também.

LPDA também está caído no chão e precisa de uma ação para se recompor.

Qualquer coisa só chamar no chat, MP, e-mail ou qualquer outra coisa.

Não coloquei no template por que estou com preguiça.

Beijo no rim.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Cap. 2 - Insânia

Mensagem por Convidado em 10/7/2016, 21:08


Richard não conseguia entender o que estava acontecendo exatamente naquele momento, não é possível negar, que fosse algo de outro mundo e uma ótima oportunidade para divertir-se e porque não tentar explodir aquela criatura estranha? Antes de ser devorada e virar um pedaço de carne sangrando, definitivamente, está não seria a melhor opção.

Richard precisava se aproximar o máximo possível da criatura para tentar fazer algo de efetivo, um ataque combinado com Hans que tinha uma sincronia perfeita de movimentos. A intenção era de fazer isso anonimamente, no entanto teve o infortúnio de pisar em um caco de vidro, atraindo assim a atenção do monstro.

Os olhos de Richard e o da criatura se cruzam e quase que instantaneamente, Richard sente sua mente explodir – Como se laminas perfurassem sua carne – levou às mãos a cabeça numa ação automática e caiu no chão, não sendo capaz de concentrar-se ou perceber o que estava acontecendo ao seu redor.  Era como se o mundo estivesse em uma dança louca e ao sentir seus músculos se contraírem sentiu uma dor de agonia.

Alheio ao que estava acontecendo ao seu redor, Richard tentou se recompor – de alguma maneira sabia que precisaria dar um jeito de voltar a si ou iria virar picadinho de monstro.  Precisava resistir a dor – Precisa permanecer vivo e por isso não podia continuar naquela situação. Richard sentiu aos poucos o controle sobre seus músculos voltarem e mesmo com uma dor que insistia em atacar-lhe, colocou-se de pé.

Tentou permanecer alheio aos gritos e poças de sangue, precisava se concentrar e depois localizar Hans para um ataque combinado, como sempre fazem.  Richard ajustou seu óculos de mira e juntamente com Hans procuram colocar-se a uma distância favorável para atacar a criatura.  Ambos com a zarabatana e em direções opostas, cobrindo dois ângulos diferentes.

Richard concentrou-se e numa sincronia adquirida em anos de treinamento conjunto com Hans dispararam contra a criatura dardos venenosos.  Richard depois do disparo,movimentou-se o mais rápido que pode para procurar algum escombro ou qualquer coisa que pudesse o defender de um ataque do monstro.



Spoiler:
Ação 1 – Atirar um dardo venenoso em Insânia – Perícia Mestre em armas brancas / Bônus da perícia Mira / Bônus do óculos de Mira - Richard
Ação 2 –  Atirar um dardo venenoso em Insânia / Perícia Mestre em armas brancas / Perícia Mira – Hans
Ação 3 – Defesa / Usar o cenário com forma de defesa / Bônus do uniforme.  

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Cap. 2 - Insânia

Mensagem por Convidado em 10/7/2016, 21:08

O membro 'Richard Strauss' realizou a seguinte ação: Lançar Dados


#1 '1d12' : 8

--------------------------------

#2 '1d12' : 6

--------------------------------

#3 '1d12' : 4

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Cap. 2 - Insânia

Mensagem por Convidado em 11/7/2016, 21:40




Missão Secundária



O plano parecia ideal apesar do risco, com o fogo lançado só me virei e passei a correr conta a coisa sangrando. Depois de ver aquela expulsão do corpo, se ela ficasse muito bravinha eu não queria ficar cara a cara com aquilo. Quem merece o prêmio da ideia burra? Eu. Muito obrigado a todos os competidores e sinto muito por eu ter ganhado. Nem olhei pra trás, mas ouvia um zumbido de passos e então um peso na minha cabeça me força para trás.

Não tinha ideia do quão impotente ficava quando era pego de surpresa assim, mas o tempo pra pensar não era ali. Tentei socar aquela mão que me mantinha preso, me desvencilhar dela antes que começasse a correr e eu não passasse de restos mortais após uma corrida dela. Me enganei um pouco, admito isso. Ela não correu me puxando, após um tempo me arremessou contra uma parede da mina. Pelo menos eu achei que era a parede porque acertei as costas. Não conseguia pensar em outro canto e torcia pra não ser outra área.

Achei que desmaiei em algum momento, mas não tinha certeza se sim, ou se não. Levantei do chão torto com dor nas costas e sentindo praticamente todos os nervos que tinha, os que eu perdi e até os que nunca terei depois daquela porrada. Tentei me sentar direito olhando o local envolta revisando o que podia fazer e o que com certeza não faria um puto de efeito contra a temperamental. Havia os restos daqueles invocadores e de alguma forma sabia que mesmo um mágico foda não conseguiria usar aquilo para deter a Coisa.

Sem ideias, muita negativamente e tentei me levantar mais um pouco respirando fundo e focando no que tinha comigo. Precisava de alguma coisa porque ela não podia sair por aí devorando o mundo como a Múmia até ficar bonita. Tinha a leve impressão que aquela coisa ia ficar mais encorpada e se for como nos filmes, ela falando seria muito mais perigosa do que já era assim. Olhei envolta me forçando a ficar de pé sozinho e fazendo alguns alongamentos rápidos pelas costas pra ter certeza da disposição pra voltar pra luta.

Andei pra fora da mina observando os movimentos mais recentes dos outros e percebendo que os outros da van não queriam uma organização pra ataque, mas eu tentaria ajudar os mesmos. Me abaixei colocando o joelho esquerdo no chão e tocando as mãos no solo para sentir a água no solo pro meu plano. Aquele projeto de múmia sem atadura iria atacar quem o atingisse com algo, logo que vi Richard se preparando para algo, preparei o auxílio para o mesmo.

Mexi o solo entre o aliado e a Carne Ambulante, transformando aquele solo em areia movediça, porque sabia que ele não avançaria na inimiga, e se esperasse o ataque iria receber com carga total. A ideia inicial seria a areia para retardar e na sorte até prender a mulher, seguindo com meus cipós e videiras saindo de perto de mim para o caminho entre Richard e a inimiga. Não iria avançar como distração como se fosse um prato de um banquete para a bruxa atacar cada um dos interessados em derrota-la, o meu objetivo por hora seria retardá-la e receber com mais sucesso os golpes do aliado e possivelmente os meus também.

Apoio não era o meu plano inicial, mas distração que só servia para apanhar não me servia de nada nem para os outros ataca-la. Era um chute no escuro atacar contando que a mesma fosse repetir a cena de ataque como antes, mas contava com uma tentativa de ataque duplo pra derrubá-la melhor. Ela era rápida, forte, praticamente não-vencida nos meios solo, então ou era a equipe, ou perderíamos para os heróis que talvez fossem mais organizados.


Uniforme: http://i.imgur.com/8o5cDfj.png

valeu @ carol!



Ações:
Ação 1: Recuperação - sem dados
Ação 2: (Dados 1) - Areia movediça no caminho entre Richard e a Não Nascida
Bônus de poder (não ta na ficha) / Bônus de pericia / atributos / dados (sistema)

Ações 3: (Dados 2) - Preparara cipós e videiras para acertar a puta quando fosse atacar o Richard
Bônus de poder (não ta na ficha) / Bônus de pericia / atributos / dados (sistema)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Cap. 2 - Insânia

Mensagem por Convidado em 11/7/2016, 21:40

O membro 'Luiz Paulo D. Arantes' realizou a seguinte ação: Lançar Dados


#1 '1d12' : 10

--------------------------------

#2 '1d12' : 6

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Cap. 2 - Insânia

Mensagem por Convidado em 12/7/2016, 22:48

Capítulo 2: Insânia
Post 02



Como uma pessoa cética, Rachel não podia acreditar que ali havia acontecido alguma espécie de ritual. Pelo menos, não no sentido "comum" pelo qual se dá um significado assim... Por muitos anos as explicações metafísicas sempre supriram a necessidade de forçar o desconhecido à luz da consciência, o conhecimento. Ou pelo menos, uma ilusão dele, uma forma eficiente de trazer a sensação de controle, ou pelo menos, uma forma de afastar o medo do desconhecido, a característica primordial do "humano", a marca biológica da "humanidade".
"Gente poderosa" eram os principais alvos de Rachel, quando se tratava de trabalhos ou de buscas pessoais, e a característica de "poder" variava em diferentes naturezas e níveis dentro da experiência pessoal da mercenária. Fosse na forma de mutações poderosas, os caras que podem dobrar aço com as próprias mãos, cuspir ácido, ou simplesmente controlar as ações de outras pessoas com a força da mente, ou outras bizarrices, até "poder" no sentido do dinheiro, da influência política, ou mesmo do controle de exércitos criminosos inteiros, mas ainda havia mais coisas entre o céu e a terra que Rachel não havia encarado...

À primeira vista, aquela coisa parecia uma mutante aos olhos de Rachel, quer dizer, ela já tinha visto mutantes e outras pessoas que eram feias, pelas suas mutações ou não, mas "aquilo" era surreal... Não apenas pela aparência que, apesar de expressar os limites do aceitável até mesmo para o "bizarro", Rachel sentia que no fundo havia algo a mais, um sentimento "ruim", e mais fundo ainda, tão fundo que ela jamais admitiria nem para si mesma, o sentimento não era dela...

- Aaaaah, merda!!!

Ela responde ao conseguir rolar para o lado após a criatura esmagar a mesa na qual estava escondida, e naquele momento, só havia uma coisa que podia tentar fazer, se afastar até estar em segurança.

Ações:

- 1ª Ação: Teste de Vontade, como solicitado pelo Narrador. Vantagem Focado (redutor igual ao nível da personagem para a rolagem de ataque mental do adversário), e benefício da perícia Vontade Alta.

- 2ª Ação: Teste de Esquiva, como solicitado pelo Narrador.


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Cap. 2 - Insânia

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 3 1, 2, 3  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum